Trecho de vazão reduzida

Na semana passada foi destacada a diferença entre as diferentes vazões de regulação. Foi uma introdução ao assunto desta semana sobre TVR – Trecho de vazão Reduzida.

A produção de energia depende de duas variáveis fundamentais a Vazão Q e o desnível H, ver figura 1 abaixo. Na busca da melhor localização de uma hidrelétrica procura-se otimizar estas duas variáveis que permitirão a maior geração elétrica. Em termos topográficos existem locais mais apropriados que possuem grande desnível da linha d´água. Nesta situação é mais vantajoso colocar a barragem a montante próximo do início do desnível e a casa de máquinas a jusante levando a vazão por condutos forçados. O trecho do rio entre a barragem e a casa de máquina é chamado de Trecho de vazão reduzida ou Alça de vazão reduzida, já que se procura utilizar o máximo possível o conduto forçado para gerar energia (figura 2).

A principal questão deste problema qual deve ser a vazão (ôes) que deve ser mantida no TVR para garantir condições os usuários da água deste trecho, qualidade da água, condições ambientais, aspectos cênicos e paisagísticos, econômicos e sociais. A vazão pode afetar todos estes aspectos.
Não existe regulação sobre assunto no Brasil e pouco existe a nível mundial, devido principalmente a definição sobre as vazões ambientais que deveriam ser mantidas ao longo do tempo (vazão e duração, relacionada com o hidrograma).
Dentro da visão energética existirá uma vazão Qmx no qual as turbinas podem funcionar. Quando Q > Qmx, a diferença deve escoar por vertedor pelo TVR. Quando Q < Qmx deverá ocorrer uma vazão mínima a ser mantida no TVR a ser definida no licenciamento ambiental. Quanto maior Qmin menor retorno financeiro haverá para a Usina. Por exemplo, a Usina de Belo Monte no rio Xingu, possui um TVR de 100 km, A vazão pelo canal previsto para serem construídos geram 9 vezes mais energia que pelo TVR (que também possui turbinas. A definição das vazões do TVR passou por avaliação dos usos da água, qualidade da água, ambiental, social e econômica para definição da sua vazão e sua variação no tempo no período chuvoso. Em Usinas menores o TVR também é menor e os condicionantes são mais limitados, mas envolvem vários fatores relacionados com os itens mencionados acima, mas osambientais são os mais restritivos e envolvem as condições de estiagem, de pulsos de inundação e de inundação que podem afetar o TVR. Estes efeitos se relacionam com profundidade do escoamento, perímetro molhado, além da vazão dentro do âmbito hidráulico e suas relações com a vida aquática, lençol freática, mata ciliar, entre outros. Na próxima semana discutiremos alguns destes aspectos. [photopress:TVR1_1.png,full,pp_image] figura 1 [photopress:TVR2_1.jpg,full,centered] figura 2

About Prof. PhD Carlos E. M. Tucci

Engenheiro civil, MSc, PhD, professor aposentado do IPH-UFRGS, sócio-fundador da Rhama Consultoria Ambiental. Autor de mais de 300 artigos científicos, livros, capítulos de livros. Experiência de mais de 40 anos na área, com atuação junto a empresas e entidades nacionais e internacionais como: Unesco, Banco Mundial, BID, ANEEL, ANA, Itaipu, entre outros. Premiado em 2011 pela International Association of Hydrological Sciences.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *