Trecho de vazão reduzida – Objetivos

O regime de vazões, sua variabilidade no tempo e no espaço é a variável que influencia diretamente a composição e integridade biótica dos sistemas hídricos. No regime hidrológico as variáveis que influenciam os sistemas ambientais são: vazão, velocidade, largura, profundidade, perímetro molhado do escoamento, transporte de sedimentos e a variabilidade das mesmas no tempo definidas pela magnitude, frequência, duração e taxa de variação. Estas variáveis influenciam: a quantidade e qualidade da água e sustentabilidade dos habitats.
Na figura abaixo é representado o hidrograma e as partes do mesmo no qual são identificados os princípios esperados de sustentabilidade da integridade biótica dos corpos de água. No primeiro princípio são caracterizadas as relações do canal de escoamento, o habitat e a diversidade biótica representada pelo hidrograma médio. O segundo princípio que caracteriza os padrões de vida, baseia-se na variabilidade hidrológica sazonal e inter-anual. O terceiro princípio busca a conectividade longitudinal e transversal dos fluxos e nutriente associados, o que está relacionado com as taxas de variação das vazões. O quarto princípio identifica o regime natural que inibe invasões. A conectividade longitudinal é representado pelo transporte de sedimentos que traz consigo nutriente, a movimentação da fauna no seu processo de procriação, entre outros. Na conectividade transversal, os pulsos de inundação e a inundação do leito maior permitem suprir com água e sedimentos áreas de criadouros e desovas e fertilizam as terras.
Para buscar o equilíbrio entre demandas de alocação de água e a conservação ambiental é necessário estabelecer metas que estão relacionadas diretamente com o ecossistema em estudo. Esta prática envolve a conservação e manutenção de bens e serviços ambientais considerados essenciais e a orientação para o desenvolvimento de atividades antrópicas em função da capacidade de suporte destes ambientes.
Para atingir estas metas é necessário identificar o seguinte:
• Quais os aspectos ambientais que dependem da distribuição temporal e espacial das variáveis hidrológicas;
• Dentro destes aspectos quais as metas que devem ser atingidas quanto à conservação do sistema?
• Quais as principais ações antrópicas que ameaçam estas metas?
• Quais os indicadores que permitem avaliar as relações causas – efeito e quantificar a mitigação dos efeitos das ações antrópicas?
Certamente uma única vazão não permite estabelecer estas metas, mas é necessário examinar o regime do rio e o efeito do mesmo sobre o ambiente formado pelo TVR. Na semana próxima vamos discutir algumas experiências existentes.
fonte da figura
BUNN, S. E.; ARTHINGTON, A. H. 2002 Basic principles and ecological consequences of altered flow regimes for aquatic biodiversity. Environmental Management Vol. 30 No. 4 pp. 492-507.

About Prof. PhD Carlos E. M. Tucci

Engenheiro civil, MSc, PhD, professor aposentado do IPH-UFRGS, sócio-fundador da Rhama Consultoria Ambiental. Autor de mais de 300 artigos científicos, livros, capítulos de livros. Experiência de mais de 40 anos na área, com atuação junto a empresas e entidades nacionais e internacionais como: Unesco, Banco Mundial, BID, ANEEL, ANA, Itaipu, entre outros. Premiado em 2011 pela International Association of Hydrological Sciences.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *