Emissão de gases de reservatórios II

Algumas semanas atrás mencionei neste blog que existe uma discussão sobre a potencial emissão de gases, que produzem efeito estufa, de reservatórios em climas tropicais. Neste caso, o principal gás em questão é o metano que tem um efeito maior que o CO2 sobre a mudança climática segundo o IPCC. Também foi mencionado que foi criado um grupo de trabalho internacional para preparar um programa (que presido) que apoiasse as medidas em reservatórios que permitisse melhor avaliar estes valores.
Nos últimos meses preparamos um documento que foi disponibilizado neste site, além de outros. Recebemos algumas propostas de alteração do documento que foi atualizado. O documento final encontra-se para download em:
http://rhama.net/ghgstatus.pdf

As atividades que darão seguimento a este processo são as seguintes:

(a)o documento será publicado pela UNESCO;
(b)está sendo desenvolvido um termo de referência para a preparação de um guia de medição de gases em reservatórios. Existe um grande número de controvérsia sobre as técnicas de medições, que tem levado a conclusões que podem ser questionadas devido a falta de uma correta avaliação das incertezas envolvidas e das diferentes formas de estimativa.
(c)Escolha do grupo de reservatórios que farão parte de um programa de medidas apoiadas pelos próprios proprietários das barragens;
(d)Definição de um grupo de acompanhamento que desenvolverá ao longo do tempo uma avaliação dos resultados obtidos e procurará sintetizar técnicas empíricas e uso de modelos para melhor estimar o efeito futuro destes reservatórios no processo de emissão de gases;
(e)Analisar medidas que mitiguem esta emissão com projetos de barragens mais adequados.
Este programa deverá se desenvolver durante 2 a 3 anos de forma a dar mais solidez as estimativas e aos investidores destes empreendimentos. No caso brasileiro este tipo de avaliação é fundamental devido a opção energética brasileira de produção de energia hidrelétrica que necessita de reservatórios para regularização de vazão. Como a área de expansão destes empreendimentos brasileiros é a Amazônia, estes empreendimentos poderiam contribuir para este processo, mudando o perfil do país no balanço de emissão de gases. Atualmente deve-se evitar a extrapolação de dados questionáveis para buscar manchetes de jornais e buscar ter mais consistência obtida de dados confiáveis.
Manteremos o site atualizado com informações sobre a evolução deste processo ao longo do tempo. Caso necessitem mais informações usem o item comentários do blog para entrar em contato.

About Prof. PhD Carlos E. M. Tucci

Engenheiro civil, MSc, PhD, professor aposentado do IPH-UFRGS, sócio-fundador da Rhama Consultoria Ambiental. Autor de mais de 300 artigos científicos, livros, capítulos de livros. Experiência de mais de 40 anos na área, com atuação junto a empresas e entidades nacionais e internacionais como: Unesco, Banco Mundial, BID, ANEEL, ANA, Itaipu, entre outros. Premiado em 2011 pela International Association of Hydrological Sciences.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *