Expansão do agronegócio e o uso da água III – Disponibilidade hídrica

A água de boa qualidade (blue water) disponível no globo é da ordem de 40.000 km3 e sua retirada em 3 de novembro de 2012 era 4.177 km3 (um pouco mais de 10%), sendo 70% para agricultura, 20% para a indústria e 10% para consumo humano. O consumo consuntivo representa 55,3% deste total, o restante retorna para os rios (WWC, 2000, Shiklomanov 1999, UN, 2012). Na tabela 1 é apresentado um resumo do uso da água e do consumo de água no mundo.
Estes dados mostram que a retirada de água é um pouco superior a 10% da água disponível e o uso consuntivo é cerca de 50% do uso do total, representando cerca de 6% do total disponível. Apesar destes números globais parecem folgados deve-se avaliar a variação temporal e espacial da disponibilidade em função da ocorrência da precipitação e clima das regiões, a redução da disponibilidade pela contaminação das fontes pela própria população e a necessidade da manutenção da água para outros usos como o meio ambiente, energia, navegação e recreação.
Nos últimos 50 anos o consumo de água triplicou, aumentando anualmente em 0,066 km3, resultado de crescimento populacional de 80 milhões de pessoas por ano, mudança de estilo de vida e aumento de uso da água, produção de biocombustíveis que consomem de 2.000 a 4.000 litros de água para cada litro de combustível (UN,2012).
A agricultura, que utiliza 70% da água, expandiu a área de irrigação, principalmente na Ásia, chegando a cerca de 260 milhões de hectares. Os serviços relacionados com a água como irrigação, abastecimento doméstico e industrial, tratamento de esgoto são fortemente subsidiados pelos governos. São realizados por razões corretas, mas com resultados perversos, pois resulta em desperdício pelo pouco valor dado a água, com baixa eficiência no uso, diminuindo o uso da conservação da água. Apesar dos subsídios, os recursos públicos são reduzidos gerando um setor pouco eficiente devido ao desperdício de água e poluição, com pouca inovação (WWC, 2000).
Os recursos hídricos renováveis (1) representam a quantidade total de água de uma nação, mas somente os recursos hídricos disponíveis é a água que pode ser econômica e tecnicamente viável para ser consumida. A fonte primária de água é a quantidade de água que pode ser consumida em função do desenvolvimento dos recursos hídricos (IWMI,2000).
A disponibilidade hídrica no Brasil é de 3.962 km3 considerando o potencial regularizável (10% da disponibilidade mundial) ou 2.696 km3 para a vazão de estiagem . A retirada total é de 50,2 km3 (ANA, 2005), portanto da ordem de 1,5% de sua disponibilidade regularizável. Deste total 54,3% é consumido pelos usos consuntivos. Dos volumes retirados para os usuários, a agropecuária (irrigação + animais+ abastecimento humano rural) representa 56 %, indústria 17,7% e consumo humano (urbano) 26,3% (tabela 2). Considerando a vazão consuntiva estes percentuais se alteram para: Agropecuária com 81,3%, Indústria, 6,4% e Urbano 12,3%. Portanto, a Agropecuária é o maior consumidor de água no país em qualquer medida adotada. Dentro dos consumos da agropecuária, a irrigação representa a maior parte, com 82,9% do consumo da agropecuária e os animais 12,9%. O consumo humano na área rural é residual com proporção de apenas 4,5% (tabela 3).
(1) Recursos hídricos renováveis é toda a água que entra superficialmente ou por água subterrânea num país ou região. Nem todo o volume pode ser utilizado por razões físicas ou econômicas.
ANA, 2005. Disponibilidade e demandas de recursos hídricos no Brasil. Estudo técnico. Caderno de Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas Brasília.
IWMI, 2000. Water Supply and Demand in 2025 International Water Management Institute Colombo, Sri Lanka.
MI,2011. Organização, descrição, análise e interpretação de dados sobre a agricultura irrigada no Brasil Ministério da Integração. (apresentação Rio de janeiro, janeiro de 2011)
SHIKLOMANOV, I. 1999. “World Water Resources and Water Use: Present Assessment and Outlook for 2025.” State Hydrological Institute, St. Petersburg, Russia.
UNESCO, 1999. A rare and precious. The UNESCO Courier fevereiro.
WWC, 2000. A Water Secure World – Vision for water, life and environment. World Water Comission Report.

expansaotabela3
expansaotabela2
expansaotabela3

About Prof. PhD Carlos E. M. Tucci

Engenheiro civil, MSc, PhD, professor aposentado do IPH-UFRGS, sócio-fundador da Rhama Consultoria Ambiental. Autor de mais de 300 artigos científicos, livros, capítulos de livros. Experiência de mais de 40 anos na área, com atuação junto a empresas e entidades nacionais e internacionais como: Unesco, Banco Mundial, BID, ANEEL, ANA, Itaipu, entre outros. Premiado em 2011 pela International Association of Hydrological Sciences.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *