Saneamento de Porto Alegre

Porto Alegre completou 245 anos de história no último domingo, dia 26 de março. Gostaríamos de aproveitar a data para ressaltar algumas melhorias no saneamento e desenvolvimento sustentável que a cidade tem apresentado nos últimos anos. Em especial, podemos destacar os cuidados para a melhora da qualidade das águas do Guaíba, manancial de extrema importância cultural, socioeconômica e principalmente ambiental para a cidade.

O Guaíba é a maior fonte de água da cidade de Porto Alegre e está diretamente ligado ao cotidiano dos porto-alegrenses. Ele é fundamental para a navegação, turismo, usos recreativos e, principalmente, para o abastecimento de água da população. Uma das ações mais recentes para melhorar a qualidade da água do Guaíba é o PISA.

O Projeto Integrado Socioambiental tem como objetivo ampliar a capacidade de coleta e tratamento de esgoto de Porto Alegre para 80% e evitar que esta parcela de efluentes domésticos cheguem in natura no manancial. O projeto contribui diretamente com a retomada gradativa da balneabilidade das águas do Guaíba, auxiliará na redução dos custos com o tratamento da água e na redução das doenças causadas pela poluição.

A cidade possui 10 ETES, que juntas possuem índice de tratamento de esgoto de 65,3%, nível inferior à expectativa estimada, que ainda é baixo considerado o investimento em coleta.

A redução da carga produzida pela cidade é o produto dos indicadores (capacidade tratamento x índice de tratamento), ou seja 52,24%.

Outra ação recente foi a construção da “Ecobarreira” no arroio Dilúvio, em março de 2016, realizada em caráter experimental pela iniciativa privada. Segundo os idealizadores, a ecobarreira é uma barreira ecológica composta por ilhas flutuantes, que ajudam na limpeza da água, e uma espécie de grade, que irá conter resíduos sólidos até 20 centímetros de profundidade. O objetivo desta medida é evitar que o lixo flutuante presente no arroio chegue ao Guaíba, uma medida bastante significativa para mitigar a poluição das águas do lago. Em duas semanas de operação, a ecobarreira evitou que 13,3 toneladas de resíduos fossem parar no lago. Desde sua implantação até fevereiro de 2017, mais de 150 toneladas de resíduos já foram coletadas pela estrutura.

Esses são alguns avanços que merecem destaque nessa data especial para Porto Alegre. Ainda existem muitos outros aspectos a melhorar como toda a carga proveniente das cidades ao longo dos rios Gravataí, Sinos, Caí e Jacuí, que tratam muito pouco o esgoto doméstico e industrial gerado. Para o Guaíba se manter com qualidade, além da sua capacidade de diluição, é necessário aumentar o esforço nas cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre (4 milhões de pessoas) e não somente em Porto Alegre (1,5 milhão).

Para você leitor, quais outras melhorias que podem ser destacadas na cidade nos últimos anos? Qual o seu papel/contribuição para deixar a cidade melhor?

 

Referências:
Porto Alegre: disponível em: “http://www2.portoalegre.rs.gov.br/dmlu/default.php?p_noticia=191607&ECOBARREIRA+EVITA+MAIS+DE+150+TONELADAS+DE+LIXO+NO+GUAIBA”. Acesso em: 24/03/17.
Procempa: disponível em: “http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/dmae/usu_doc/revista_ecos_34_-_final_em_baixa.pdf” Acesso em: 24/03/17.

 

About Equipe de comunicação

Equipe da Rhama responsável pela gestão das mídias sociais, planejamento, produção, divulgação, e postagens de conteúdo no Aprenda.

2 Comments

  1. Visitei a ETE Serraria alguns meses atrás e fiquei impressionado com a dedicação dos funcionários e do trabalho exercido.

    Muitas turmas fizeram visita naquele dia, muito gratificante saber que existe essa preocupação em receber pessoas interessadas, ajuda para que o assunto entre cada mais em voga e pressione as forças públicas para causas dessa temática.

    Dei uma passada pela ecobarreira e, apesar de alguns problemas que ocorreram, acredito que tenha sido um ótimo projeto piloto. Tive um professor que participou do projeto e sempre estava empolgado com a ideia.

    Abraço e obrigado pela reportagem!

Deixe uma resposta para Lenin Domingues Garcia Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *